Corações lisboetas

A querida Sereia se apaixonou por Lisboa (ah, Portugal…) e começou a ver coraçõesinhos por aí – mas não estava vendo coisas, apenas cruzou com um grafiteiro anônimo e romântico (todos não o são?) que distribuiu o emoticon apaixonado pelas paredes do pequerrucho bairro de Alfama, uma espécie de Vila Madalena/Santa Cecília lusitana – ou seja, divida qualquer possibilidade de agito por cem. Ela conta:

Em Lisboa, depois de uma febre catártica pós-réveillon _coisa de ferver aos 39,5 C_ consegui ficar de pé só no dia 4, quando o calor desceu da testa ao coração… Resolvi dar um simpático rolê pelas ruelas de Alfama, olhando o Tejo cada hora por um ângulo, sentindo o peso do 2010, procurando a espessura de um 2011 melhor. Coloquei no ipod a música-trilha oficial dessa viagem da qual não quero voltar (“San Solomon“, do Balmorhea) e me deixei perder toda melancólica nas úmidas vielinhas lisboetas, depois de uma sequência de dias desastrosos e especiais. Na hora exata do meu pensamento mais açucarado, um coração em stencil na parece de um jardim de infância. Achei auspicioso e marejei (EMO!) Uns vinte passos mais tarde, outro. Dessa vez eu ri… Em cinco minutos mais um e outro e outro… Mudei meu caminho, passei a seguir os stencils de coração espalhados pelos muros e paredes, achei mesmo que era a melhor coisa a fazer, rs. Acabei num mirante, fumei um cigarro, tomei um café, escrevi um poema e voltei pra casa. Na volta, me despedi do último coração, o da escada, que confirmou vários pensamentos. Pode parecer idiota e meloso demais, mas achei se tratar de um bom presságio, uma promessa boa. Só queria esquecer da volta, esquecer minha casa em SP, largar tudo, fugir de novo… Pra virar um azulejo português ou uma dessas pedras úmidas que forram o chão da cidade-caos que me deixou tão apaixonada.

Tunguei da Dani.

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. mauricio disse:

    se nao fosse o ‘escrevi um poema’, teria me apaixonado.

  2. João Vitor disse:

    78 < 3? Tem algo bem errado aí.