Como chegar ao público

assessoria-de-imprensa-sim-2014

No fim do ano passado, fiz a mediação de quatro mesas do SIM São Paulo, a Semana Internacional de Música produzida pela Fabiana Batistela. Numa das mesas, conversei com a Piky, a Nath, a Larissa e a Fran sobre a mudança que a internet causou no trabalho de assessoria de imprensa e a mesa foi comentada pela Mônica Herculano no site Cultura e Mercado:

“Houve um tempo em que os cadernos de cultura pautavam as grandes gravadoras”, lembrou o jornalista Alexandre Matias na abertura da mesa sobre comunicação no mercado da música, durante a Semana Internacional de Música de São Paulo, em dezembro passado. Hoje em dia, quando grandes gravadoras já não são mais tão importantes, e com o declínio da mídia impressa, isso mudou. No entanto, ainda é importante.

Para Francine Ramos, produtora e assessora de imprensa, o artista quer reconhecimento do público, mas também da crítica. “Mesmo com as redes sociais cheias, ele quer um aval do especialista”, afirmou no debate. Além disso, a maioria dos contratantes quer o aval de um grande veículo. “Isso faz crescer os olhos dele, embora ser capa de uma Ilustrada já não garanta mais casa cheia.”

A jornalista e também assessora de imprensa Nathalia Birkholz lembrou que o mailing da agência Inker – que trabalha com diversos artistas independentes e festivais nacionais e internacionais – mudou nos últimos quatro anos. Incluiu agências de conteúdo e de publicidade, por exemplo. “Hoje não basta mais falar apenas com a imprensa, tem que falar com o cara que forma opinião no meio musical, os blogs especializados e, especialmente, as agências de conteúdo”, afirmou.

Daí que a divulgação de um novo trabalho vira um trabalho de formiguinha. “Sair em um blog muitas vezes abre para outro. Aí isso vai crescendo e às vezes chega no grande”, disse Francine. Mas para chegar no grande, é preciso haver planejamento. “Criar uma banda com um conceito, formar o trabalho, é muito importante pra conseguir o sucesso. Tem um trabalho de base a ser feito”, lembrou Matias.

Leia a íntegra do texto da Mônica no Cultura e Mercado.

Você pode gostar...