Com a bênção de seu Mateus Aleluia

paola-alfamor

Fotógrafa, artista plástica e tatuadora, a gaúcha Paola Alfamor dá início à sua carreira musical com a benção de ninguém menos que seu Mateus Aleluia, o mestre tincoã. “A primeira vez que o encontrei foi em 2016, eu morava no Rio e ele fez um show em Niterói”, lembra a cantora. “Consegui encontrar ele no final do show, dar uma abraço, falar da admiração que sinto por ele e dei um livro que eu faço, que chamo de livro-portal, um livro sem palavras, só com imagens. Três anos depois, ele fez um show no Sesc Pompeia e quando vi que ele vinha, eu falei com o filho dele e pedi pra fazer fotos do show. Reencontrei com e ele lembrou de mim e falou que meu livrinho tava no altar dele. Morri. Fiquei sem palavras. Foi a partir dali que deu nossa grande conexão.”

Mas a conexão não ficou por aí. “Desde aquele dia, a gente tá sempre em contato. Aí nesse ano ele veio pra São Paulo e estava gravando no estúdio do Zé Nigro, na Cantareira, quando ele me perguntou se eu cantava”, ela lembra e explica que travou e só conseguiu cantar para ele em outra ocasião, em Salvador. Incentivada pelo parceiro Saulo Duarte, ela mostrou seu punhado de canções e conseguiu até que o próprio Mateus cantasse no primeiro single, “Paô”, composto ao lado de Saulo, que ela lança em primeira mão no Trabalho Sujo.

A música ainda conta com a participação do mestre percussionista Gabi Guedes, que hoje toca na Orquestra Rumpilezz de Letieres Leite, e foi escolhida como primeiro single do disco chamado Onça, que sai só em março do ano que vem, pelo próprio Mateus. “Até hoje não consigo acreditar direito que sou amiga do seu Matheus Aleluia”, ela ri, sem acreditar.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *