Clint Eastwood e a geração mariquinha

Na Piauí:

“Vivemos numa geração meio mariquinha, todo mundo diz: “Vamos lidar psicologicamente com isso?” Naquela época, você simplesmente sentava o pau e resolvia na porrada. Mesmo que o cara fosse mais velho e fortão, pelo menos você era respeitado por encarar a briga, e te deixavam em paz.

Não sei se dá para dizer exatamente quando começou essa geração mariquinha. Talvez tenha sido quando as pessoas começaram a se perguntar sobre o sentido da vida.”

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. Ramon disse:

    “Let me tell ya something. Nowadays, everybody’s gotta go to shrinks, and counselors, and go on “Sally Jessy Raphael” and talk about their problems. Whatever happened to Gary Cooper? The strong, silent type. That was an American. He wasn’t in touch with his feelings. He just did what he had to do. See, what they didn’t know was once they got Gary Cooper in touch with his feelings that they wouldn’t be able to shut him up! And then it’s dysfunction this, and dysfunction that, and dysfunction ma fangul!”

    Tony Soprano.

  2. Paulo Diógenes disse:

    Eu respeito a opnião do Clint… Ele sabe ser fodão…

  3. João disse:

    Ele também soltou uma sobre casamento gay que foi ótima. E foi a favor.

  4. BrunoC disse:

    Fosse um Rush Limbaugh da vida fazendo o mesmo comentário, verbatim, meio mundo cairia matando. Se há uma geração como essa descrita pelo Sr. Eastwood, boa parte da culpa é da indústria que paga os salários dele. Uma posição sensata sobre determinado assunto não gera crédito pra ele falar besteira depois.

    • Claudio Solon disse:

      Bruno, respeito seus sentimentos. Mas, acredito que sobre este tema o que o CE quer dizer é que as pessoas perdem tempo demais em divagações e realizam de menos.

  5. biu disse:

    pessoal, pessoal, calma, sem stress… vamos lidar psicologicamente com isso?? vamos ao show do criolo reclamar da falta de amor em sampa?? cu.

  6. Izildo Souza disse:

    Ele mordeu e assoprou. Mas a ironia prevaleceu.

  7. Cool_god disse:

    Concordo plenamente!

  8. carol disse:

    como uma pessoa que, se fosse da outra geração, teria que se sentar no fundo do ônibus, sou muito mais essa geração.
    e clint eastwood, racista babaca, não é parâmetro pra nada.

    • Claudio Solon disse:

      Carol, sua opinião exige reflexão. Vc. é negra? Eu não sou branco. Aliás o Chico Buarque falando sobre racismo disse que os brancos do Brasil só seriam possíveis num Brasil de xuxas casadas com Tafaréis. Somos todos miscigenados.

      Vc. Já ouviu falar do músico Charles “Bird” Park? Dá uma olhadinha nos créditos do filme “bird”, ou melhor veja o filme, depois v. Me diz alguma coisa. O velho Clint é apenas um cara da velha geração, quase um troglodita, mas um troglodita de rara sensibilidade artistica.

  1. 23/05/2012

    […] Alexandre Matias pinçou, lá no Trabalho Sujo, um teco do texto escrito pelo Clint Eastwood que foi publicado na Piauí desse mês. “Vivemos […]

  2. 26/05/2012

    […] Alexandre Matias pinçou, lá no Trabalho Sujo, um teco do texto escrito pelo Clint Eastwood que foi publicado na Piauí desse mês. “Vivemos […]