Clássico é clássico: Mick Jagger + Caetano Veloso

E por falar em Mick Jagger, vou puxar a sardinha pro Brasil pra lembrar do clássico episódio em que Caetano Veloso entrevistou o vocalista dos Rolling Stones para a TV Manchete, nos anos 80. O surgimento da Manchete, lançada numa década em que só haviam três ou quatro canais da TV (internet? hahaahahah), foi saudado na época mais ou menos como o lançamento da revista Piauí no mercado editorial brasileiro. Além de revelar novos talentos (Angélica e Xuxa são crias de lá) e explorar novos rumos para a telenovela (culminando na épica e memorável Pantanal), a emissora também investia no telejornalismo em diferentes frentes – de um lado havia o Documento Especial, que apresentava o submundo da cidade grande para o resto do Brasil, do outro o Conexão Internacional, programa de entrevistas capitaneado pelo Roberto D’Ávila, que abriu uma edição do programa para Caetano Veloso entrevistar Mick Jagger. Só achei esse trecho da entrevista no YouTube, que a descrição diz ser do filme Cinema Falado, do próprio Caetano Veloso (que nunca tive coragem de assistir).

Devia ter na íntegra, ninguém sabe onde tem isso?

A entrevista é clássica por ter dado origem a uma das principais polêmicas cultivadas pela Ilustrada, na Folha de S. Paulo, o embate memorável de Paulo Francis e Caetano Veloso. Afinal, olha como Francis tratou a entrevista de Caetano em sua coluna:

“É evidente, por exemplo, que Mick Jagger zombou várias vezes de Caetano na entrevista na TV Manchete. O pior momento foi aquele em que Caetano disse que Jagger era tolerante e Jagger disse que era tolerante com latino-americanos (sic), uma humilhação docemente engolida pelo nosso representante no vídeo.”

Além de ter tripudiado da ingênua pergunta de Caetano sobre a importância do rock para a história da música:

“Essa pergunta simplesmente não se faz em televisão, ou até em jornal. É de um amadorismo total. Só serve para seminários de ‘comunicação’ no interior da Bahia. Não é uma pergunta jornalística. Jagger começou a debochar aí.”

Caetano ficou putaço, chamou Francis de “bicha amarga” e Francis não deixou barato:

“Duas sorridentes cascavéis deste caderno me comunicaram hoje que Caetano Veloso me agrediu numa coletiva. Outro tema de debate: cantor de samba fazendo show vale uma coletiva? Por quê? Bem, fiz críticas culturais ao estilo de personalidade de Caetano, o flagelado milionário de ‘boutique’, servil como um escravo diante do condescendente Mick Jagger. São críticas, certas ou não, mas culturais. Qual é a resposta de Caetano? Diz que sou uma bicha amarga e recalcada. É puro Brasil. Ao argumento crítico, o insulto pessoal. Mas o insulto é o próprio Caetano. Afinal, o que ele quer dizer é que sexualmente sou igual a ele, e usa isso como insulto.”

A história virou pauta em que o intelectualismo cultural brasileiro foi submetido à enquete “Paulo Francis ou Caetano Veloso?” – e essa história está toda contada melhor aqui.

Em tempo, eu sou time Caetano.

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. Ulysses disse:

    Outra coisa sensacional da TV Manchete que não consigo encontrar no Youtube foi o especial African Pop. Abraço

  2. Fabio Ximenez disse:

    Team Francis aqui

  3. Daniel Araujo disse:

    A Manchete também fez (ou prometeu fazer, acho que não chegou a ir ao ar) aquela novela sobre o Collor, com um bizarro sósia como protagonista.

    —–

    O Paulo Francis é daqueles caras que dá pena de discordar, porque escrevia muito. E o Caetano é daqueles que de uns tempos prá cá dá pena de concordar, porque ô sujeito chato.

  4. Ian disse:

    bons tempos em q nem tudo era preto no branco, descolado ou reaça, pt x psdb…

  5. Tiago disse:

    Team Francis

  6. Paulo disse:

    Eis o link para a íntegra de “Cinema Falado”, caso alguém se anime a procurar o trecho da entrevista: http://youtu.be/FuvO3_ga3GM

  7. Fernando Coelho disse:

    Foda foi recuperar essa história. Excelente!

  8. Breno Silva disse:

    O racismo de Francis impedem qualquer pessoa decente de apóia- lo.

  1. 26/07/2012

    […] por falar no Caetano, que versão horrorosa essa que os Magic Numbers fizeram pra faixa que abre o […]