Cinemacaos e os filmes de explosão

Há tempos já associo a ida ao cinema a ir a um brinquedo de parque de diversões. Claro que o cinema segue independente desta mudança – boas histórias ainda serão contadas em uma grande tela por muito tempo -, mas a experiência de fechar-se em uma sala escura para entregar-se à visão de um diretor, para mim, hoje em dia tem um efeito mais sensorial do que propriamente narrativo, principalmente a partir da forma que o som conduz a narrativa deste cinema de explosão. E aí vem este vídeo-ensaio do alemão Matthias Stork chamado Cinemacaos, que explica como o atual cinema de ação abandonou completamente a edição lógica da narrativa visual para deixar esta lógica por conta do som. Bem didático.

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. 17/02/2012

    […] • Cigarros Pradense • Lucrecia Martel: El sonido en la escritura y la puesta en escena • Cinemacaos • O Iluminado e o mercado financeiro global • Sherlock • A trilha sonora do Espião Que Sabia […]