Cidadão Instigado + Legião Urbana


Cidadão Instigado + Dado Villa Lobos – “Tempo Perdido”

Dado Villa-Lobos deu uma palhinha num show do Cidadão Instigado no Rio no fim de semana e a banda aproveitou pra emendar duas do Legião. O Ricardo tava lá e escreveu sobre o show (os vídeos são da Jô):

Ontem, fui assistir ao Cidadão Instigado no Rival e confesso que minha expectativa era ainda maior. Penso que é a melhor banda em atividade no Brasil e ainda não havia os visto ao vivo. Fui com meu amigo Cadu e não nos decepcionamos, um showzaço. Lembro que desde a abertura, com ‘Doido’, comentei que nenhuma banda ‘normal’ abriria daquela forma e o show prosseguiu com interpretações magistrais de pérolas como ‘Deus é uma viagem’ e ‘Como as Luzes’, até Catatau chamar uma participação especial: Dado Villa-Lobos. Ficamos agradavelmente surpresos, até porque não estava no roteiro. Gostei ainda mais que ele tocou ‘Homem Velho’, das minhas preferidas do último álbum da banda, uma tocante homenagem a Deus, quer dizer, Neil Young. Mas nem podíamos imaginar o que vinha depois…

Já tinha visto o Dado tocar em shows de outras bandas e é sempre legal, mas dessa vez foi diferente. Ele entrou no palco com a simplicidade de sempre, parecendo congelado no tempo, vestindo uma camiseta do Blur e após a bonita interpretação de ‘Homem Velho’, a banda emendou inacreditavelmente com uma das melhores canções da Legião Urbana, ‘Andrea Doria’, em versão fiel à original. Foi especial porque bateu tudo muito forte ali, assistir aquela canção ao vivo, com o guitarrista da banda que mais ouvi na minha adolescência junto com a banda que mais admiro atualmente. E o fato de ver o Catatau cantando era como se cada um de nós cantasse ali no palco, por ele representar o oposto do comportamento messiânico de Renato Russo. Ainda tocaram ‘Tempo Perdido’, “um dos momentos mais lindamente melancólicos da história da música pop”, como definiu Hermano Vianna, e a música da Legião que meu pai mais gosta.

Tudo é questão de feeling, o lugar certo, na hora certa, e naquele momento foi como se um filme da vida passasse em minha mente. Foi significante ver o Cidadão Instigado tocando Legião com o Dado, o encontro de referências importantes para mim, situados em espaços tão distintos de tempo. Pelo inesperado, pela nostalgia, foi daqueles momentos inesquecíveis. E, significativamente, a próxima música que a banda tocou foi ‘O Tempo’ e versos como “olha pra mim, eu já não sou mais o menino que você deixou” ou “o tempo é um amigo precioso” fizeram ainda mais sentido.

Poderia falar do quanto a banda ainda é mais criativa no palco do que no estúdio; que Catatau só confirmou o que eu já sabia, que é o melhor guitarrista de sua geração; que Dado ainda voltou para tocar com muita empolgação mais músicas do Cidadão… Mas prefiro deixar essa última imagem, a torrente de sentimentos que me invadiu naquele momento: Cidadão Instigado, Legião Urbana, ‘Andrea Doria’, ‘O Tempo’, o tempo…


Cidadão Instigado + Dado Villa Lobos – “Andrea Doria”

Realmente, essa versão de “Andrea Doria” (que música!) ficou demais.

Você pode gostar...

7 Resultados

  1. João disse:

    Lindo só porque tocou Legião? Tempo perdido é claro plágio de Smiths, sendo que o Renato Russo declarou que saiu com vergonha do estúdio depois de gravar essa música.

  2. Nathália Geraldo disse:

    Música é memória. por isso, é lindo.

  3. guilherme disse:

    legal mas faltou cantor so ne? catatau penou pra cantar esta, renato cantava muito mas muito mesmo

  4. martins disse:

    Por isso que o Alexandre Matias é foda.

  5. Geo disse:

    muito bom o comentário de que o dado parece congelado no tempo. o bicho não muda, sempre bonito, com aquela cara de garotão. ainda usando camiseta do blur…

    ouvi por aí que o catatau estaria envolvido com a produção do novo disco da banda do dado. só esperando pra ver.

    o que importa é que essa noite no rival foi linda. o catatau comandou o bonde usando uma guitarra surrada e aqueles pedais intergalácticos dele. pura alegria.

  1. 29/09/2012

    […] Cidadão Instigado – “Andrea Doria” […]