Jornalismo

A maior mentira da internetÉ de propósitoDireto do futuroMáquina do tempoO comandante do laboratórioO Kinect está de olho em vocêsServidorVida Digital: RadarCultura

E a minha coluna de domingo no Caderno 2 foi sobre funk carioca e Grand Theft Auto.

Justiça global
Um funk carioca no GTA

No início da semana passada, a 3ª Vara Cível de Barueri, em São Paulo, decidiu que as vendas da versão de um dos games mais populares do mundo, o polêmico Grand Theft Auto (GTA), deveriam ser suspensas em todo o planeta. A decisão foi tomada após a acusação de que uma música usada como trilha sonora da expansão Episodes from Sin City, o funk carioca Bota o Dedinho pro Alto, não tinha autorização para ser usada no jogo.

A desenvolvedora do jogo, a nova-iorquina Rockstar, já se manifestou dizendo que ainda não foi notificada sobre o ocorrido, mas que assim que isso aconteçer, irá recorrer. A empresa diz que obteve a autorização para usar a música, mas a assinatura no contrato de cessão de direitos autorais não bate com a de seu autor, que recorreu à Justiça para suspender a comercialização do jogo, bem como para exigir uma indenização financeira.

O episódio ilustra bem como ainda estamos na infância de um mundo inteiramente conectado, graças à internet. Anos atrás, dificilmente um jogo global incluiria uma música brasileira que não fosse licenciada por uma gravadora multinacional. Mas, graças à rede, os criadores do jogo não apenas puderam conhecer o funk carioca como pedir a autorização para seu uso. Da mesma forma, a suspensão de um produto de alcance global a pedido da justiça de um país que não fosse seu produtor – ainda mais de um game – seria apenas risível.

Não mais. As duas situações – o funk carioca em um videogame e a decisão judicial brasileira – fazem parte de um novo cenário mundial que desrespeita fronteiras geográficas por definição. E, com isso, legislações nacionais vão ficando obsoletas, ultrapassadas ou conflitantes. Resta saber se chegaremos a um consenso – e se este consenso será uma constituição planetária. Mas, por enquanto, isto é apenas especulação.

Bilu!
O alienígena da voz fininha
Uma reportagem feita com um suposto alienígena no interior de Minas Gerais tornou-se uma das sensações da internet brasileira. Com uma vozinha ridícula em português, o “ET”, autodenominado “Bilu” (sério) é questionado se tem alguma mensagem para nós. Sua resposta já pode ser considerada um clássico de 2010: “Apenas que… busquem conhecimento”.

O fim não justifica os meiosFalta de consenso sobre o que é privado leva a ruídosUm passo para a leiComo zerar seu smartphone Colhidas a dedoTodos no Vale do Silício a serviço do FacebookiPad com teclado Lion incorpora traços do OS móvelNotas – Facebook, GTA, Fifa, protestos na França…Vida Digital: Steven Johnson

Na minha coluna no Caderno 2 desta semana, falo novamente sobre o filme do Facebook, não sobre ele propriamente, e sim sobre uma mensagem que está embutida em seus minutos…

O MP3 e ‘A Rede Social’
O dilema digital para as massas

A Rede Social, novo filme de David Fincher (o mesmo diretor de Clube da Luta e Zodíaco), conta a história de como o site Facebook foi criado – e entra em seu terceiro fim de semana de exibição nos EUA correndo o risco de manter-se como líder das bilheterias desde sua estreia. O resultado pode surpreender quem crê que, para ter um bom desempenho comercial na telona, basta adaptar uma história em quadrinhos, enchê-la de efeitos especiais e exibi-la em 3D.

A Rede Social não tem nada disso: dispõe-se a contar como um gênio antissocial inventou uma ferramenta de socialização digital que tornou-se o maior site do mundo. Denso, frio e devagar quase parando, o filme é o oposto do que se espera de um sucesso hollywoodiano, mas o nome dos envolvidos ajuda a entender o porquê do sucesso – além de Fincher, o filme é escrito pelo mesmo Aaron Sorkin da série West Wing e protagonizado pelos novos galãs Jesse Eisenberg e Andrew Garfield (que fará o novo Homem-Aranha), além do cantor pop Justin Timberlake.

E Justin é o assunto da coluna de hoje. Nem preciso entrar nos méritos de sua atuação (que é boa, mesmo que ele venha da música e não do cinema), mas sim no personagem vivido pelo popstar em A Rede Social. Ele faz as vezes de Sean Parker, cofundador do Napster, o software de compartilhamento de arquivos online que virou a indústria musical – e, em seguida, a do entretenimento como um todo – do avesso.

Em certa passagem do filme, que só estreia no Brasil em dezembro, ele conversa com o personagem de Eisenberg (que vive o criador do Facebook, Mark Zuckerberg) sobre o potencial da rede social criada por ele. E, no meio do papo, cita que, embora todos envolvidos no Napster tenham sido processados e que o software tenha causado a fúria da indústria fonográfica, ele sim, mudou a forma como consumimos música. E pergunta, ironicamente, se alguém ainda entra em lojas de discos para comprar CD.

A ironia se desdobra ao lembrarmos que Justin é um dos principais vendedores de disco da mesma indústria que foi estilhaçada pelo MP3, formato de arquivo que o Napster estabeleceu como padrão para a música no início do século 21. Mas não deixa de ser importante que este tema venha a ser uma das principais questões discutidas – entre outras, bem mais severas – em um dos filmes que, certamente, será um dos mais vistos em 2010. E, como o próprio Mark após o papo com Sean, pode fazer o grande público pensar um tanto sobre este assunto.

Tão longe, tão pertoPersonal Nerd – GigapanPessoas e conceitos mudam: Xuxa, pedofilia e a internetVídeo sem logotipoNotasO exército da MicrosoftSeu computador a serviço dos hackersSocial e móvelVida Digital: Aaron Koblin

Minha coluna no Caderno 2 voltou das férias ontem.

Uma música só para você
A solução do Belle & Sebastian

Ícones do indie rock desde seu primeiro álbum – If You”re Feeling Sinister, e lá se vão 12 anos desde seu lançamento -, o grupo escocês Belle & Sebastian acaba de soltar mais um disco no mercado. Write About Love é seu sétimo lançamento (sem contar os EPs) e, numa época em que qualquer disco pode ser baixado e ouvido com apenas uma busca no Google, a banda inventou uma forma interessante de fazer com que seus fãs comprassem a versão física – o CD – de seu novo álbum.

Muito já foi dito sobre este assunto: uma vez que a música perdeu seu valor comercial ao se tornar facilmente encontrada para download online, como os artistas podem fazer que seus fãs voltem a pagar por música? A primeira resposta já virou lugar-comum: o fã paga para ver o show (que abre uma discussão enorme sobre o que acontece com o artista que não faz apresentações ao vivo, mas isso é outra conversa).

Outros vieram propor mais soluções radicais. Já é clássico o exemplo do Radiohead, que liberou seu In Rainbows para download gratuito e propôs que os fãs pagassem quanto queriam para ter o disco (mesmo que não pagassem nada). A banda Nine Inch Nails transformou seu disco Year Zero em uma plataforma com diferentes versões para download. Quem quisesse ouvir o disco, podia baixá-lo gratuitamente. Se a opção fosse baixar o disco com uma qualidade sonora superior, havia um preço. Outra versão vinha com faixas extras, a um preço maior.

O baterista da banda, Josh Freeze, inspirado neste plano, lançou um disco em que ofertava várias versões com preços diferentes – e as opções mais caras incluíam desde um telefonema pessoal do músico para o fã em agradecimento à compra até um show particular feito para quem pagasse o valor máximo que ele pedia,US$ 20 mil.

O Belle & Sebastian, que se apresenta no Brasil no início de novembro, foi além e acaba de lançar uma promoção junto de seu novo disco que é simples e convincente o suficiente para fazer seus fãs comprarem o pedaço de plástico com as músicas gravadas. Cada cópia de Write About Love vem com um código único que, ao ser digitado no site da banda, permite que o fã participe de uma promoção.

Nela, a banda pede para que o fã escreva em 300 palavras porque o Belle & Sebastian deveria gravar uma música sobre ele mesmo. Quem conseguir convencer os escoceses ganha um senhor prêmio: a banda vai para a cidade do fã, passa uma tarde com ele para, depois, ouvir uma música composta sobre ele. Simples, não? E ainda há quem se pergunte sobre como ganhar dinheiro com música em tempos digitais…

Assisti semana passada – e é tudo isso mesmo.

Foi com ceticismo que interrompi minhas férias por três horas, na semana passada, ao entrar em uma sala de cinema nos EUA para assistir ao filme sobre o Facebook. Líder nas bilheterias daquele fim de semana, A Rede Social também recebeu aplausos e elogios de quase todas as publicações norte-americanas – citar uma lista só com os veículos que lhe deram cotação máxima em suas avaliações enumera nomes que vão de carros-chefe da indústria como Hollywood Reporter e Variety a revistas como Time, Rolling Stone e New Yorker e jornais como Washington Post, Wall Street Journal e Los Angeles Times.

Para completar, o filme reúne um time exemplar: dirigido por um dos melhores cineastas de sua geração (David Fincher, de Clube da Luta e Zodíaco), escrito pelo mesmo Aaron Sorkin que deu ao mundo West Wing (o seriado sobre a Casa Branca que spoilou a realidade ao antever a eleição de Barack Obama) e protagonizado por Jesse Eisenberg (herói dos melhores hits discretos de 2009, Zombieland e Adventureland), além do cantor Justin Timberlake e dos bons novatos Andrew Garfield e Armie Hammer. Enquanto escrevo, surgem notícias apontando o filme como forte candidato ao Oscar de 2011. Mas como o excesso de expectativa costuma ser fatal para qualquer obra, fui sem esperar nada.

E me impressionei. A Rede Social, que chega aos cinemas brasileiros no início de dezembro, é o filme mais importante de 2010. E antes que os cinéfilos venham atirar pedras, vale lembrar que “mais importante” não é sinônimo de “melhor” (este posto continua com Um Homem Sério, dos Irmãos Coen). A Rede Social é o filme mais importante do ano por fazer que Hollywood saia do casulo sem assunto em que se fechou no início do século, quando preferiu recriar universos mitológicos – seja de super-heróis ou de livros clássicos – para voltar a falar de algo que faça sentido para a vida de seu público, reassumindo um papel que já foi seu mas que, nos últimos dez anos, foi substituído pela TV.

Mas não é irônico que, para isso acontecer, o cinema norte-americano tenha de falar da criação de um site de internet?

Não. E não apenas pelo tema do filme ser um site com meio bilhão de cadastrados, mas pelo fato de o cinema finalmente reconhecer a importância do meio digital para a história contemporânea. Hackers eram tratados como seres mágicos, prontos para quebrar barreiras de segurança sempre que o herói do filme, frequentemente avesso às novas tecnologia, se via diante de um computador.

Mas se antes isso era exceção, agora não é mais: vivemos em um mundo digital e é ridículo pensar que a única obra cinematográfica feita sobre este universo seja um filme feito para a televisão (Piratas do Vale do Silício, de 1999, sobre a rusga de Bill Gates e Steve Jobs).

A Rede Social parte do princípio de que o Facebook é tão importante hoje quanto os jornais foram no tempo em que Cidadão Kane foi feito por Orson Welles – a comparação é do próprio Fincher, que chama o filme de “o Cidadão Kane da geração John Hughes” – e para entender as motivações por trás desta nova mídia, foi preciso entrar na mente de seu criador. Mas ao contrário de Welles, que pintou seu William Randolph Hearst (o Kane original) com tons amarronzados de jornalismo barato, Fincher preferiu fixar-se no paradoxo de que a ferramenta mais popular de interação em tempos de internet ter sido criada por um hacker antissocial.

Juntos, diretor, roteirista e ator criam um Zuckerberg frio, robótico, ríspido, automático; um ser humano falho, mas uma máquina de programar – e programar tudo. E, como havia feito em Zodíaco, prefere não desvendar o mistério, apenas ampliá-lo. Quando o filme termina ao som de “Baby You’re a Rich Man” dos Beatles, com Zuckerberg dando reload em uma página do Facebook, sabe-se tanto sobre o Cidadão Zuck quanto se sabia antes do início do filme.

E não pense que A Rede Social é um caso isolado. Um filme sobre o Google já está sendo produzido e não duvide que, em breve, possamos assistir à vida de Steve Jobs no cinema. Com Tom Hanks, como sugeriu minha mulher ao final da sessão, no papel do pai da Apple.

O antissocialResistentes ao FacebookO brasileiro do Facebook está offlineEm Janeiro de 2011Como recuperar as fotos de sua câmera digital‘Piratas’ bancam filme do PirateBayA relação entre hackers e HollywoodA sobrevida do cartão de visitasCrimes digitais crescemO JPEG do GoogleNotasNovo round entre Apple e Google definirá o futuro da TVVida digital: Apples in Stereo

Minha coluna para o Caderno 2 que eu fiz antes de sair de férias…

A arte de recombinar
Remix: Parte da cultura popular

“Tudo é remix”, diz o diretor nova-iorquino Kirby Ferguson no título da série de minidocumentários que lançou online nesta semana, Everything Is a Remix. “O ato de remixar sempre fez parte da cultura popular, independentemente do tipo de tecnologia usada”, explica o diretor no site do projeto, everythingisaremix.info. “Mas coletar material, combiná-los e transformá-los são ações que fazem parte de qualquer nível de criação.”

Mas antes que você torça o nariz achando que Ferguson está se referindo às intervenções que DJs fazem em músicas alheias, tome tento. O próprio diretor começa o primeiro capítulo de seu documentário explicando isso: o remix de músicas é só a parte mais conhecida de um evolução criativa que acompanhou a história da humanidade e, devido às leis de direitos autorais criadas durante o século 20, foi interrompido pois ficou impossível usar partes de obras alheias sem que isso significasse
pagamento ao artista original. Mas o pequeno filme conta duas situações que ocorreram no século passado que ajudaram a arte a se livrar da proibição que passou a pairar sobre o processo de criação.

Primeiro, ele cita o escritor beat William Burroughs, que, no início dos anos 60, em Paris, inventou um novo método para escrever livros. Ele datilografava páginas e páginas, depois as recortava e grudava umas nas outras, fazendo nascer, desta forma, novas palavras, frases e expressões – muitas sem sentido, mas e daí? Ferguson sai de Paris em direção a Londres, no final da mesma década, quando surge a banda Led Zeppelin. Incensada em seu país de origem, o grupo, no entanto, demorou para ser
levado a sério nos Estados Unidos porque boa parte de suas músicas “pegava emprestado” riffs, letras e melodias de clássicos do blues. Everything Is a Remix mostra as semelhanças entre velhos blues e músicas do Led Zeppelin.

E frisa que a diferença entre o que a banda de Jimmy Page fazia e o conceito de remix atual é que hoje a recombinação e recontextualização das obras quase sempre apontam quem é o autor original – ao contrário da banda inglesa. Que, por sua vez, teve trechos de suas músicas usados à exaustão por diversas bandas de hip hop – citados no filme.

Pogue no Link

Entrevistei o David Pogue, novo colaborador do Link, para a capa desta edição.

MSN, TVs de tela plana, laptops, YouTube, smartphones, Google, MP3 players, e-readers, streaming, redes sociais, câmeras digitais, Wi-Fi, Twitter… É estranho imaginar que há dez anos nada disso existia de fato. E nesta primeira década do século 21 um jornalista viu toda essa história sendo escrita em primeira mão e de um posto privilegiado. A partir de hoje, os leitores do Link poderão acompanhá-lo perto: David Pogue, colunista de tecnologia do New York Times, estreia seu blog em nosso site no endereço http://blogs.estadao.com.br/david-pogue/.

“Muita coisa mudou nestes últimos dez anos”, diz o jornalista norte-americano, em entrevista por e-mail. “No ano 2000, nenhum dos sites da hoje onipresente web 2.0 existia: nem Facebook, nem YouTube, nem Twitter, nada. Outra mudança dos últimos dez anos foi o enorme declínio nos canais tradicionais de mídia e comunicação: jornais, revistas, telefones fixos, audiência na TV. E o tempo gasto online cresce cada vez mais.”

Formado em música na Universidade de Yale (sim, ele é maestro e apresentou-se tocando teclado num TED em 2007!), Pogue começou a escrever sobre tecnologia em 1988, na coluna Desktop Critic da revista Macworld. Em novembro de 2000 foi contratado pelo New York Times para escrever a coluna State of the Art, que mantém até hoje no caderno de negócios do jornal. Ele ainda assina a newsletter From the Desk of David Pogue e mantém o blog Pogue’s Posts, que passa a ser republicado com exclusividade no site do Link.

É natural que ele seja publicado em um caderno de tecnologia que, há seis anos, percebeu que esse assunto não é mais coisa de geeks sem vida social ou fanáticos por aparelhos. “As pessoas são tão, ou mais, importantes do que as máquinas”, diz, questionado sobre as principais mudanças da última década. “Se a tecnologia não agrada ou serve às pessoas, morre rapidamente.”

Para ele, o melhor ícone desta primeira década digital é o iPhone: “Pois ele combina muitos componentes como nenhum outro aparelho fez – entrada e saída de áudio e vídeo, GPS, sensor de movimento, de proximidade e de luz, Bluetooth… Ele criou toda uma nova categoria de produtos, que eu chamo de ‘telefone de aplicativos’. Foi-se o tempo em que o celular servia para fazer chamadas ou checar e-mails – agora rodamos aplicativos nele”. E continua, festejando a cria mais popular da Apple. “O iPhone fez mais do que isso: antes dele, as operadoras de celular controlavam o design de softwares. Steve Jobs insistiu para que a Apple tivesse todo o controle criativo – e quando as operadoras perceberam que era boa ideia permitir que fabricantes pensassem o interior do telefone, todo o ecossistema mudou”.

Ele não conhece nada sobre a cultura digital brasileira. “Mas se eles vão ler o meu blog, é óbvio que têm um gosto excelente! Quero conhecê-los, ainda que digitalmente!”. Bem-vindo, Pogue. Sinta-se em casa.

Retrospectiva Pogue:

2000

MSN
A Microsoft mudou sua estratégia para o MSN de novo, e, desta vez, pode ser que tenha acertado. O MSN Explorer empacota as melhores funções de internet em uma única e colorida janela. Ter um painel de controle unificado poupa o esforço de aprender a usar um programa para cada função.

2001

HD externo
Até um dia desses, a Iomega deu a todos os seus produtos nomes onomatopaicos: Jaz, Click, Buz. O primeiro produto batizado assim, o Zip drive, foi um sucesso. Mas o tempo passou (whooosh!): um disco Zip hoje não dá conta de coleções de MP3, arquivos de Photoshop ou vídeos digitais. Pior, alguns discos tiveram problemas graves (crash!). Usuários moveram ação coletiva contra a Iomega (crunch!). Depois que a poeira baixou, a empresa fez duas mudanças. Primeiro, abandonou as onomatopeias. Segundo, lançou um novo tipo de disco removível, o Peerles. O nome é adequado: não há nada como ele.

Windows XP
A Microsoft vem liberando versões de teste há alguns meses, e na última semana apresentou o produto final. E até a boa notícia é grande: o Windows XP é muito atraente e extremamente estável.

iPod
A Apple não costuma mandar cartões de boas festas. Então, quando a companhia enviou cartões para os repórteres na semana passada, muito cedo para o Natal, muito em cima da hora para o Halloween, dá para entender a curiosidade gerada. A mensagem alardeava a revelação de um “aparelho revolucionário”. O que poderia ser? A Apple anunciou o iPod, basicamente um tocador de música portátil. Ou melhor, o mais sofisticado tocador de música portátil jamais produzido.

2002

TV tela plana
Recentemente, Sharp, Samsung e Panasonic inauguraram uma nova categoria de telas widescreen caras, mas de tirar o fôlego: painéis planos de cristal líquido. Estes aparelhos só são acessíveis a quem espera ganhar na loteria para pagá-los, mas merecem ser vistos mais de uma vez. Se você já viu um deles, sabe o efeito que causam: o pulso acelera, os olhos não piscam e surge uma súbita vontade de vender seu carro para conseguir mais dinheiro.

2004

Gmail
Como estudantes de Stanford constroem uma empresa que fatura bilhões de dólares por ano em cinco de existência? Parte da resposta vem de uma ótima tecnologia de buscas. Mas outra parte vem do lema da empresa: “Não seja mau”. Isso explica porque a página do Google é quase vazia: anúncios e gráficos tornam a navegação mais lenta. Também explica porque os anúncios são claramente separados do resultado das buscas. Se você colocar anúncios pagos no meio da busca, como fazem Microsoft e Yahoo, você pode ser mau. Mas quando o Google disse que seu novo Gmail, que mostrava anúncios relacionados a sua correspondência, estava em teste, a reação foi de choque.

BlackBerry
Nos anais do consumo de eletrônicos, alguns aparelhos são tão presentes que criam cultos entre seus compradores. Você sabe: maníacos por Mac, malucos pela Palm. Entre a multidão engravatada, um aparelho em particular ganhou apelido próprio: Crackberry. É uma referência ao Blackberry da RIM, um palmtop altamente viciante que permite que você cheque seus e-mails em tempo real.

2006

Web 2.0
Em 2006, a grande tendência da internet foi a web 2.0 – sites que pedem a participação do público, como YouTube, MySpace, Wikipédia, Digg e Flickr, que eram abastecidos com conteúdo gerado por seus usuários. Nesses sites, a web não é só um ambiente de publicação – é um diálogo global.

2007

iPhone
Lembra da fada-madrinha de Cinderela? Ela balançava sua varinha de condão e transformava algo comum, como uma abóbora, em algo glamouroso, como uma carruagem. Ela certamente mora em algum lugar na Apple. Toda vez que Jobs vê algo desesperadamente feio, qualquer máquina complexa que chore pelo toque da Apple – como computadores ou tocadores de música –, ele a deixa sair. E na Macworld deste ano, Jobs mostrou o mais novo produto de sua fada madrinha. Ele satisfez os desejos de milhões de fãs da Apple ao transformar o celular… no iPhone.

Kindle

E-readers vêm e fracassam. O da Sony segue sendo vendido até hoje, às dúzias. Então a Amazon resolve lançar seu aparelho, chamado Kindle. Estão malucos? O Kindle é uma prancheta de plástico branco fina, que vem com uma capa de couro. Não é, er…, lindo: é tudo de plástico, tem ângulos duros e lembra uma pastiche do Commodore 64.

2008

Twitter
Por muito tempo, meus leitores me incomodaram para checar esta coisa chamada Twitter. Tentei evitar, pois parecia mais uma destes drenos de tempo online que viram moda. E-mail, blog, chat, RSS, Facebook… Quem ainda tem tempo para mais um bate-papo? Mas, para falar a verdade, não há nada como o Twitter.

2009

Netbook
O termo netbook é um eufemismo que tende a salientar as principais atividades a que ele é destinado: checar e-mail, navegar na internet, chat, Skype e processadores de texto. Talvez seja a intenção de distrair de tudo o que o netbook não faz bem: Photoshop, edição de vídeos, games etc.

Bing

Nos últimos 15 anos, o plano de negócios da Microsoft deve ter sido “espere alguém conseguir um sucesso e depois copie”. Parece maldade, mas vamos lá – a lista de cópias feita pela empresa é tão grande quanto seu braço: PalmPilot/Pocket PC, Netscape Navigator/Internet Explorer, Mac OS X/Windows Vista, iPod/Zune. E agora vemos outro esforço “eu também” da Microsoft. Chama-se Bing e é o mais novo representante na tentativa da empresa em imitar o Google.

2010

TV 3D
Há um interesse explosivo na TV 3D. Por parte das empresas, fique claro. Se as pessoas vão querer isto ou não, segue como uma grande pergunta.

iPad
Nos dez anos em que analiso produtos nunca vi algo que polarizasse tanto as opiniões quando o iPad da Apple. “Este aparelho é um absurdo risível”, disse um comentarista num blog de tecnologia. “Como eles querem que as pessoas levem a sério um computador sem mouse?”, “É uma revolução mágica”, disse outro, “eu não posso imaginar porque qualquer um queira voltar a usar mouse e teclado depois de experimentar a interface visionária da Apple”.