Bike no Centro Cultural São Paulo

bike-ccsp

O Bike, uma das principais bandas da renascença psicodélica brasileira desta década, despede-se de seu segundo álbum, Em Busca da Viagem Eterna, apresentando-se nesta quinta-feira no Centro Cultural São Paulo (mais informações aqui). O ciclo é fechado também com o lançamento do clipe “Terra em Chamas”, mostrado em primeira mão aqui no Trabalho Sujo.

O líder da banda, Julito Cavalcante, comentou sobre o fim desta etapa, que sobrepõe-se ao início do trabalho do terceiro álbum da banda. “O Em Busca foi importante para nós, caímos na estrada como nunca, foram mais de 70 shows, fizemos nossa primeira turnê européia com bons shows na Inglaterra e no Primavera Sound, trocamos de baixista, o Rafa saiu no meio da turnê e hoje o João está fixo na banda e tivemos a participação de muitos amigos músicos, , Brenno Balbino, que se tornou o quinto elemento do Bike, Gabi, do My Magical Glowing Lens, Danilo, do Hierofante Púrpura e até do Tagore. Tocamos em quarteto, quinteto e sexteto, pudemos tocar pela primeira vez com bandas do cenário mundial aqui no Brasil, como The Black Angels e Os Mutantes, tivemos um EP de Remix feito pelo Renato Cohen que nos surpreendeu. Foi um ano duro mas de amadurecimento como banda e como músicos”, me explica por email.

Sobre o próximo disco, ele garante que sai até maio, quando a banda completa três anos de estrada. “Desde novembro todos voltaram a morar no interior, isso nos deu mais tempo e liberdade, todas as músicas surgiram depois desse retorno, compomos e produzimos tudo com calma”, ele continua. “Isso somado às novas influências que absorvemos durante as viagens pela Europa e pelos extremos do Brasil resultou num álbum mais tranquilo, nos deu uma sensação de cura e entendimento de tudo que aconteceu nessa busca pela viagem eterna”.

Você pode gostar...