Apples in Stereo – e só

Texto que escrevi pro blog do Estadão sobre o SWU falando dúnico show que vi no festival até agora.

Foi com dor no coração que eu disse não ao Rage Against the Machine. Não tanta dor assim, metade é floreio textual. Mas quando vi as condições a que o SWU submeteu seu público, assim que cheguei na Fazenda Maeda para assistir apenas aos Apples in Stereo, fiquei feliz em ter escolhido não ficar até o fim do primeiro dia do festival. E nem precisei ficar sabendo dos relatos deprimentes de horas de tortura em trânsito para sair do festival (#radioheadfeelings) como sentir o frio na pele para identificar o tamanho da roubada. Apenas vi a minúscula estradinha de terra que o evento colocou para escoar todos os sabe-se lá quantos mil carros que os diferentes estacionamentos iriam escoar. Não havia anoitecido ainda, mas já dava para antever o mar de luzes traseiras vermelhas à frente do pobre motorista, cercado por outros em idêntica situação – vendo o êxtase de ver sua banda favorita ao vivo transformar-se numa raiva incontrolável contra o amadorismo semiprofissional da indústria de entretenimento brasileira.

Por isso, disse não ao Rage. Led Zeppelin de minha adolescência, havia jurado para mim que ainda os veria em vida, dane-se se voltassem só pela grana (e como se tocar música não fosse o trabalho dos caras). Mas como promessas para si mesmo são as mais tranquilas de serem abortadas, deixei para lá. Mas o fator determinante que me fez ir ao SWU em seu primeiro dia foi uma bandinha minúscula dos Estados Unidos, que, com quase vinte anos de carreira, é uma pequena nota de rodapé na história da música pop, mas que também é quase um capítulo inteiro em uma das minhas partes favoritas da história do rock: a psicodelia. O Apples in Stereo faz parte do mesmo coletivo Elephant 6 que deu ao mundo o Olivia Tremor Control, o Neutral Milk Hotel e o Elf Power, bandas que, do fim dos anos 90 até hoje, ajudam a manter acesa a chama da lisergia entre os nomes no rock independente do século 21. E era a principal atração – a única internacional – de um dos palcos do festival.

Liderada por Robert Schneider (que foi entrevistado pelo Fred Leal no C2 Música deste sábado e no Link desta segunda), a banda vem abandonando o lado barroco lo-fi de seus primeiros discos nos últimos anos, dando mais ênfase à faceta pop e objetiva de hits fáceis de ser lembrados. Seu disco mais recente, Travellers in Space and Time, é um dos melhores álbuns de 2010, mesmo que esteja longe de ser lembrado pelas listas de melhores do ano, tanto do público quanto da crítica. Por serem comercialmente minúsculos, quase sempre não são lembrados nesta hora.

Mais um motivo para assistir aos Apples – eles disputariam público com uma das raras apresentações dos Los Hermanos e tocariam quando a dupla canadense MSTRKRFT tocasse na tenda de dance music. Dois concorrentes de peso, para tirar público da banda. O espaço dedicado aos Apples estaria, portanto, mais transitável, menos abarrotado, mais civilizado. Em condições normais, os Apples in Stereo teriam tocado em São Paulo num palco do Sesc, talvez no Espaço +Soma ou no Studio SP, o que inevitavelmente tornaria sua apresentação disputadíssima. Mas no ambiente do festival, ela tornou-se praticamente um luau para os fãs da banda.

Um show redondíssimo, de pouco mais de uma hora, em que a banda esmerilhou todo seu pop psicodélico futurista e radiante para um público pequeno, mas completamente em sintonia com a banda. Em pouco mais de uma hora, se divertindo tanto quanto o público, a banda criou uma bolha de boas vibrações que praticamente os isolou do clima de vinho barato do SWU (mesmo que a única bebida alcóolica à venda fosse cerveja). Alternando principalmente músicas dos dois últimos discos (Travelling e New Magnetic Wonder, de 2007), o show também funcionou por ter evitado o complexo de épico que reinava sobre o festival.

Terminado o Apples in Stereo, logo logo ouviria o Mars Volta funcionando como trilha sonora perfeita para ir embora. O som de pesadelo – não estou ficando velho, Mars Volta é bem ruim mesmo – funcionava como um presságio para o tumulto e o pânico que reinaram sobre a madrugada. Estava de volta à estrada antes das 22h e li, pela internet, a confusão que aconteceu durante o show do Rage Against the Machine.

A dúvida agora é saber se vale à pena chegar na fazenda de novo nesta segunda-feira a tempo de ver o Yo La Tengo e encarar Josh Rouse e Cansei de Ser Sexy antes dos Pixies (Queens of the Stone Age eu passo, muito obrigado). Mas a certeza é única – mesmo que tenha Linkin Park e Tiesto depois dos Pixies, acho válido sacrificar o bis da banda americana para não pegar o perrengue da saída. Pois, não duvide, muita gente vai ficar só até os Pixies – o suficiente para tumultuar aquela minúscula estrada de terra.

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. @alexfrez disse:

    sei que é uma critica
    porem, não era necesario criticar os outros shows do evento,
    se the mars volta e rage against não fizeram uma boa apresentação
    então esse apples in stereo foi que o fez? o pouco que vi desta banda não sai de 3 notas a musica.
    nem atração principal foi, precisou que a OI trouxesse para seu palco.

    quanto a tumulto e reclamações, só esclarece uma coisa.
    falta de organização da produtora do evento.

    fora isso não a do que reclamar, foram todos otimos nas execuções de seus repertórios.

    só lamento a critica de uma pessoa que nem sequer assitiu o evento até o fim.

    ps: som do futuro? pscidelia?, comentario infeliz
    espero que seu proximo post seja mais completo, e fundado em sua experiencia e não em vagos comentarios espalhados pela internet.
    😀

  2. japaOne disse:

    Não ví Apples, nessa hora eu estava me espremendo durante o show dos Los Hermanos para garantir um bom lugar pra ver o Rage, e Matias, sinto lhe informar, mas vc perdeu uma revolução!!! Queria ter visto Apples, que só conhecí aqui, mas RATM era sonho, valeu a pena demais!