Ana Frango Elétrico: Escoliose Experimento

cartaz ana frango eletrico 230519 copy

É um imenso prazer receber no Centro da Terra, nesta terça-feira, a autora de um dos discos mais instigantes do ano passado, o ótimo Mormaço Queima. A cantora, compositora e poeta carioca Ana Frango Elétrico apresenta-se uma única vez seu espetáculo Escoliose Experimento, a partir das 20h (mais informações aqui). “Escoliose Experimento é um improviso em cima de poemas meus – uns viraram letra, outros eu reúno em uma compilação que eu denomino Escoliose:Paralelismo Miúdo que nada mais é que um nome pra um certo raciocínio poético, de céu/chão acontecimentos relacionados com cheiros cores & circunstâncias”, ela me explica, “um exemplo numa canção: {trecho de roxo: se de noite cada vez que liga a luz é um novo dia pro seu peixe}”.

“Minha relação sinestésica com a música se dá pelo processo de comunicação, de lugares que eu quero chegar com o som que se dão na minha cabeça como cores, sensações etc. No caso desse show a música entra como condução de sensação improvisada onde o dispositivo são as poesias e palavras, onde se tem bastante cor cheiros e acontecimentos”, ela continua. No palco, ela recebe Vovô Bebê, Theo Ceccato, Xad, Let e Juliana Perdigão e explica a formação. “Juntei uma configuração de músicos de áreas completamentes diferentes. E cada um eu conheci de uma maneira diferente, quis justamente propor um encontro de universos inusitados pra interpretarmos juntos sem muitos lugares para nos apoiarmos de vícios de conjunto ensaiado.” Ela já fez esta apresentação com a Juliana Perdigão e uma formação mais tradicional, mas “dessa vez quis desvincular ainda mais do meu trabalhado de canção e abrir mais espaço para a música com trilha”, explica.

O show conversa tanto com seu disco mais recente quanto seu próprio trabalho, embora seja algo bem mais experimental do que formal. “O ponto de conversa é a poesia, que aliás já vem no título do álbum – Mormaço Queima é o sol que você não vê por trás da nuvem que vai dar na pele e vira ditado. Esses trajetos invisíveis e cinematográficos, se dão em partes das minhas canções”, continua. “E ele continua conversando com algumas canções do próximo álbum que também vieram antes no papel. Mas os dispositivo tem mais a ver com o Mormaço Queima. No sentido de dinâmicas mais soltas e pictóricas.”

Você pode gostar...