#AgoraÉQueSãoElas: Melhor vantagem, por Fernanda Paola

ofra-amit-cult

Chamei a Fernanda Paola, querida amiga que também é heroicamente fundadora e diretora do Espaço Cult onde faço meus cursos sobre música, para escrever o texto do #AgoraÉQueSãoElas da vez – já que não vou me restringir a apenas uma semana de publicação para este tema, que acho um dos mais importantes – hoje e sempre.

Quando fui convidada para usar esse espaço, numa ação coletiva, generosa e bonita, aceitei. Sem saber se havia uma pauta específica, ou do que tratavam os outros textos, resolvi aproveitar essa liberdade.

Nunca separei as coisas por gênero. Fui criada por uma mulher muito forte, que agarrou a vida sem olhar para trás. Nunca ouvi da minha mãe uma reclamação sobre ser mulher. Como se fosse vítima, ou se não pudesse fazer alguma coisa por conta dessa condição. E também não tive pai. A meu ver, desde cedo, eram as mulheres que dominavam o mundo. Minha avó era muito forte, a minha bisavó também. Tive certeza disso por muito tempo, até que a vida começou a se apresentar crua e cruelmente. Entendi que as coisas não eram bem assim. Que as mulheres ao meu redor haviam sofrido muito com todo tipo de abuso.

Basicamente, por serem mulheres.

Descobri que para a minha mãe chegar num cargo executivo e de poder, ela teve que engolir mais sapo do que eu jamais aguentaria de homem nenhum. Ouvi histórias tristes de minha avó, que representa uma geração de mulheres que tinham que sofrer caladas. Entendi que, se elas passaram por isso, se foram fortes e guerreiras apesar de tudo, era para que eu pudesse ser livre. E, então, minha obrigação é dar conta do recado e nunca abaixar a cabeça para homem nenhum. Pensando agora, escrevendo esse texto, acho que sempre fomos feministas em casa. O que me deu possibilidade de chegar até aqui, onde posso dizer o que penso e fazer o que quero. Sem medo. Diferente delas.

Nunca deixei de fazer nada por ser mulher. Muitos disseram que eu devia. Ouvi que “isso não é atitude de mulher” a vida toda. Das mulheres, dos homens. Pelo visto, até hoje há algumas coisas que podemos fazer, e outras que não. Mas como nem ouvi quais são, fui fazendo. Sou mulher e toco um negócio de cultura no Brasil. Contra todas as estatísticas. E aconselhamentos. E não posso reclamar. Apesar de todo preconceito, misoginia e abuso – sim, passamos por tudo isso a vida toda, repetidamente – não escolheria ser outra pessoa, estar em outro lugar, participar de outra história, se não a minha.

Ser mulher é, para mim, minha melhor vantagem.

A ilustração deste post foi sugerida pela Fer e é da ilustradora israelense Ofra Amit, que ela esbarrou num Pinterest.

Você pode gostar...