A pirataria oficial dos Rolling Stones

Os Rolling Stones estão em pleno processo de oficializar a própria pirataria, faturando em cima de clássicos alternativos que, por muito tempo, circularam apenas por baixo dos panos do rock’n’roll, numa época em que o acesso à música (hoje tão banal) era dificílimo. E se hoje qualquer um vê qualquer show a hora em que quiser em streaming HD da poltrona de sua TV conectada com a internet, nos anos 70, qualquer resquício de registro que pudesse capturar alguma novidade de qualquer artista que não fosse lançado em vinil nas lojas era tratado como material raro e de crucial interesse para os fãs. Foi assim que a indústria do disco pirata começou, muito antes da internet e do MP3, lançando trabalhos que os artistas muitas vezes nem sabiam que estavam sendo gravados.

Essa história paralela da música pop oficial pode ser considerada em pleno ocaso de sua existência, mas vem sendo responsável pela sobrevida de artistas que hoje que já tem pelo menos mais de três décadas na ativa. E os Stones finalmente começam a se dedicar a faturar em cima desse material, com o lançamento do site Stones Archives, que vende memorabilia da banda em geral. O grupo optou pela alternativa Frank Zappa em vez da lógica dos Beatles em seu Anthology ou de Bob Dylan em sua Bootleg Series. Ao contrário destes, os Stones não reinventaram uma forma de reempacotar material que já havia se tornado clássico em formatos alternativos. Como Zappa, que em sua série Beat the Boots relançava o material que os piratas faziam de seus shows exatamente como eles haviam sido pirateados (para, justamente, “quebrar os piratas”, como dizia o título da série), os Stones fuçam no próprio passado e reencontrando capas, gravações e títulos que já são tidos como clássicos pelos fãs mais ávidos, embora nunca tenham ganham um centavo diretamente destas vendas (já sua reputação…). O site, portanto, dispõe estes piratas à venda, cujo exemplar mais recente é a edição do disco L.A. Friday ’75, em show que marcava a entrada de Ron Wood para a banda e a participação de Billy Preston nos teclados. Olha o setlist…

“Honky Tonk Women”
“All Down The Line”
“If You Can’t Rock Me” / “Get Off Of My Cloud”
“Star Star”
“Gimme Shelter”
“Ain’t Too Proud To Beg”
“You Gotta Move”
“You Can’t Always Get What You Want”
“Happy”
“Tumbling Dice”
“It’s Only Rock N Roll”
“Heartbreaker”
“Fingerprint File”
“Angie”
“Wild Horses”
“That’s Life”
“Outta Space”
“Brown Sugar”
“Midnight Rambler”
“Rip This Joint”
“Street Fighting Man”
“Jumping Jack Flash”
“Sympathy For The Devil”

Dá pra escutar trechos aqui:

E no vídeo abaixo, Mick e Keith lembram dessa fase da banda:

Não que seja difícil encontrar esses discos gratuitamente pra download. Mas saber que a própria banda está os colocando à venda material que antes só os fãs mais ardorosos tinham acesso (a um preço que até é OK – US$ 7 pelo disco em MP3 -, mas poderia ser ainda mais barato), é louvável.

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. 10/04/2012

    […] Um dos grandes momentos daquele show de 1975 em Los Angeles que os Stones oficializaram em sua recente iniciativa digital, os Stones Archives: […]